quarta-feira, 11 de junho de 2008

Tabelas SAC ou Price: qual a diferença?

[Por Ana Amaral - da Lopes]

Casa ou apartamento escolhido, sonho praticamente realizado.

Se a decisão de compra passa pela escolha de um financiamento imobiliário, é bom ficar ligado em alguns termos que fazem a diferença na composição do valor das suas parcelas.

Frente a tantas informações novas, entender um pouquinho de “economês” não faz mal a ninguém e evita surpresas desagradáveis no futuro.

Para começar: Tabela SAC e Tabela Price. O que é isso e qual é a diferença?


Tabela SAC

É o Sistema de Amortização Constante, cuja característica é amortizar (diminuir) um percentual fixo da dívida desde o início do financiamento.

Ou seja: na composição total da parcela paga mensalmente, o valor correspondente ao pagamento da dívida permanece constante, enquanto o valor correspondente ao pagamento de juros diminui progressivamente.

O Sistema de Amortização Constante é o mais adequado para financiamentos imobiliários, pois a tendência é que o valor das prestações e o saldo devedor diminuam, se mantidos os atuais níveis de atualização monetária. O comprador, no entanto, deve ter maior fôlego financeiro para arcar com parcelas mais altas no início dos pagamentos.

Com o SAC, o risco de o saldo devedor sofrer aumentos acentuados é baixo. Isso porque, mantida a atual taxa de atualização monetária, cada parcela paga será abatida desde o início. Além disso, as prestações futuras tendem a diminuir continuamente ao longo do financiamento. Assim, o cliente passa a ter maior controle da dívida no longo prazo e uma maior tranqüilidade para planejar o futuro.


Tabela Price (TP)

Também conhecida como Sistema Francês de Amortização, ficou menos popular nos últimos anos, mas ainda é utilizada por alguns bancos.

É caracterizada pelo valor fixo das parcelas ao longo do financiamento e, via de regra, é mais onerosa para o comprador. Isso porque, nos primeiros meses, em virtude da parcela fixa, o valor a ser abatido do saldo devedor é muito pequeno: a maior parte vai para o pagamento dos juros. E como os juros incidem sobre o saldo devedor (que foi pouco reduzido), o valor total pago no fim do financiamento tende ser maior.

Por que as pessoas ainda optam por ela? Justamente por causa do valor fixo das parcelas, atraente para determinados perfis de compradores.

Pela tabela Price, as prestações e o saldo devedor são corrigidos mensalmente pela TR (Taxa Referencial de juros) pelos bancos privados, e anualmente pela Caixa.

Nesse sistema, apenas 25% da renda familiar podem ser comprometidos com a aquisição do imóvel e o prazo máximo de financiamento é de 20 anos.


Nos próximos posts, vamos trazer alguns exemplos para ilustrar melhor as diferenças entre os dois sistemas.

Fique atento. Exija informações detalhadas na hora de optar pelo financiamento e durma tranqüilo. Na casa nova, é claro...

Até a próxima!

2 comentários:

Anônimo disse...

Ana, por que em alguns casos a tabela Price é considerada abusiva? Há algum perigo pra quem compra nesse sistema?

Obrigado!

Jeferson

Anônimo disse...

Só há um erro no seu racioncínio: em qualquer sistema de amortização consistente (TP, SAC, SACRE)o custo financeiro para o tomador ao final do contrato é o mesmo! Não se paga mais por utilizar a TP, isso é lenda urbana..